Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog dos 300

Este blog surgiu como forma a poder comentar situações do quotidiano, sobre todas as áreas, e até sobre a minha vida. Resultante da parceria com 3 amigos da faculdade, também se comenta cinema e música.

Blog dos 300

Este blog surgiu como forma a poder comentar situações do quotidiano, sobre todas as áreas, e até sobre a minha vida. Resultante da parceria com 3 amigos da faculdade, também se comenta cinema e música.

Meco

E a pedido de algumas famílias, aqui vão ter o desejado post sobre o acontecimento trágico ocorrido no dia 15 de Dezembro de 2013, no Meco.

Desde já comprometo-me que neste comentário não serei de forma alguma parcial.

Primeiramente, o que estavam sete jovens a fazer numa praia num dia de Inverno e ainda por cima de madrugada?

Isto está à vista de todos, os jovens que faleceram encontravam-se em praxe e não vale a pena estar com rodeios, estavam mesmo em praxe.

Segundo, porquê que um dos que estavam presentes não morreu como os outros?

Esse tal aluno que estava presente, não faleceu porque não estava a ser praxado, ou seja, estava a praxar doutores, ao que se pensa deveria ser o dux da faculdade naquela data.

Terceiro, como é que esse tal sobrevivente se terá safado do mar?

Não se safou, nunca chegou a lá entrar é tão simples quanto isto. Como estava a praxar encontrava-se mais longe do mar do que os restantes alunos que estavam a ser praxados e possivelmente ao avistar a onda terá conseguido salvar-se, o que explica o mistério do telemóvel dele estar completamente seco e assim ter chamado por ajuda.

Quarto e resumindo os pontos anteriores, todas estas mortes se devem a um ritual de praxe, como é que isso é possível em pleno século XXI?

Quinto, as praxes devem ser suspensas devem acabar por causa disto?

No meu ponto de vista, não fazendo eu parte de qualquer tipo de praxe, penso que não é motivo para as suspender ou mesmo banir, mas é a partir daqui e para evitar mais acontecimentos trágicos, que elas (todas) deveriam ser reformuladas, desde coisas simples até coisas de risco como esta, e coisas simples é por exemplo o caloiro não poder olhar o doutor nos olhos, isso não faz qualquer sentido, até coisas mais complexas.