Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog dos 300

Este blog surgiu como forma a poder comentar situações do quotidiano, sobre todas as áreas, e até sobre a minha vida. Resultante da parceria com 3 amigos da faculdade, também se comenta cinema e música.

Blog dos 300

Este blog surgiu como forma a poder comentar situações do quotidiano, sobre todas as áreas, e até sobre a minha vida. Resultante da parceria com 3 amigos da faculdade, também se comenta cinema e música.

11 contra 11 - 3ª Jornada da Liga NOS

3.PNG

 

 

A 3ª Jornada da Liga NOS, deu-nos um clássico, espetáculo e polémica.

 

benfica.png

 O primeiro dos três grandes a entrar em campo foi o Benfica, tendo se deslocado ao campo do Nacional da Madeira na tentativa de recuperar do empate da última jornada, em casa, frente ao Vitória de Setúbal. Não foi um jogo fácil para o Benfica, mas foi um jogo que o Benfica foi controlando, acabando por chegar à vitória com naturalidade.

Os primeiros minutos mostraram um Benfica com vontade de resolver rapidamente a questão, sendo que aos 5 minutos Jonas poderia ter inaugurado o marcador, o remate saiu um pouco ao lado. No entanto, aos 17 acabaria por chegar o primeiro golo do encontro, um auto-golo do central do Nacional, depois de uma falha do guarda-redes. Ao intervalo o resultado era de 0-1 para o Benfica, sendo que o Benfica podia ter feito mais 1 ou 2 golos, até ao minuto 64, onde acabaria por sofrer num lance de bola parada, um canto, golo apontado por Tobias Figueiredo. Ao minuto 69, e já com André Carrillo em campo, o Benfica acabaria por chegar ao 2-1. O resultado ficou decidido ao minuto 92 com mais uma falha da defesa do Nacional, que permitiu a Raul Jimenez fazer o 3 a 1 para o Benfica. Quanto ao árbitro, Artur Soares Dias, realizou uma excelente exibição, para ele nota 9 em 10, visto que o jogo também não teve lances muito difíceis de analisar.

 

photo (1).jpg

 Sporting e Porto entraram em campo ao mesmo tempo fruto do primeiro clássico da época, em Alvalade.

O jogo começou melhor para o lado dos azúis e brancos, uma falta sobre Danilo merecedora de cartão amarelo, que o árbitro não exibiu, permitiu no entanto, a Felipe, marcar no seguimento do cruzamento de Miguel Layún, o cronómetro marcava o minuto número 8. Depois começa a polémica, André Silva sofre uma cotovelada de Coates, o árbitro não assinala falta e no seguimento da jogada, assinala falta sobre Slimani à entrada da área do Porto, na cobrança da falta, Bruno César envia a bola ao poste e na recarga, Gelson Martins, recebendo a bola com o peito permite a defesa de Casillas, sendo que na recarga Slimani empurra a bola para dentro da baliza do Porto, estávamos no minuto 15. Ainda antes do segundo golo, Slimani poderia ter ido para a rua, por ter dado uma cotovelada a um jogador do Porto e André Silva poderia ter feito o 1-2 para o Porto, não fosse a defesa de Rui Patrício. Ao minuto 26, nova polémica, Felipe corta a bola e Bryan Ruiz ajeita com o braço, possibilitando uma assistência para Gelson Martins fazer o 2 a 1 para o Sporting, seria falta a favor do Porto. Ao minuto 30 o Porto podia ter chegado ao empate, após remate de André André que bateu no poste da baliza defendida por Rui Patrício. Ao minuto 32, e no seguimento de mais uma falta não assinalada a favor do Porto, Adrien Silva, por pouco não faz o 3-1 a favor do Porto, valeu a defesa de Casillas.

 

photo.jpg

 Já na segunda parte, ao minuto 56 excelente defesa de Casillas ao cabeceamento de William Carvalho. Ao minuto 62, nova polémica, Jorge Jesus é expulso do banco do Sporting, e fica 3 largos minutos a conversar com o treinador adjunto, tendo depois ido para a bancada estando visivelmente em contacto com o banco, algo que não é permitido, não satisfeito com isso, aos 91, com o jogo ainda a decorrer, volta a entrar no recinto de jogo. Relativamente ao árbitro, Tiago Martins, teve uma estreia azarada em clássicos, não assinalando algumas faltas, não dando o respectivo cartão, permitindo mais que uma agressão dentro do campo, e errando nos lances capitais do jogo, leva nota 2, porque teve grande influência no resultado.